Dez anos após acidente com avião da TAM, nenhuma condenação e réus absolvidos duas vezes

Dez anos depois da tragédia que vitimou 199 pessoas do voo JJ 3054 da TAM, as famílias ainda lutam para virar a última página que falta para o desfecho do caso. Porém, ela é considerada a mais difícil. Trata-se da responsabilização no âmbito criminal, que chegou a ter dez pessoas indiciadas num primeiro momento. Hoje, apenas três pessoas seguem no processo.

A mais recente decisão data do último dia 12 de junho, quando o Tribunal Regional Federal da 3ª Região manteve a absolvição dos únicos três réus. São eles o então vice-presidente de Operações da TAM, Alberto Fajerman, o ex-diretor de segurança de voo da companhia, Marcos Aurélio dos Santos de Miranda e Castro, e a então diretora da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Denise Abreu.

O voo saiu de Porto Alegre e colidiu contra um prédio da TAM após não conseguir frear durante a aterrissagem no aeroporto de Congonhas, em São Paulo.